face1

Práticas sustentáveis são discutidas na Casa de Leis

Práticas sustentáveis são discutidas na Casa de Leis

17 de julho de 2019  Na noite de segunda-feira (15), foi realizada na Câmara Municipal de Araraquara palestra sobre “Países…

Semana de combate ao bullying é instituída em Araraquara

Semana de combate ao bullying é instituída em Araraquara

15 de julho de 2019  Lei de autoria do vereador Elias Chediek foi sancionada na Prefeitura   Com o objetivo…

Exposição ‘Dia do Nascituro’ encerra ‘Semana em Defesa pela Vida’

Exposição ‘Dia do Nascituro’ encerra ‘Semana em Defesa pela Vida’

Celebrações são fruto de lei de autoria do vereador Elias Chediek A data de 8 de outubro, o “Dia do…

Frontpage Slideshow | Copyright © 2006-2011 JoomlaWorks Ltd.

 

Vereador apresenta moção de apoio a modelo educacional

Elias Chediek entende que programa deve melhorar o processo de ensino-aprendizagem

Considerando que em 5 de setembro o governo federal lançou o Programa Nacional das Escolas Cívico-Militares, e que há previsão para implementar o referido programa em 216 colégios até 2023, ou seja, 54 por ano, com início em 2020, o vereador Elias Chediek (MDB) apresentou durante a 125ª Sessão Ordinária uma moção de apoio ao programa.

“A escola cívico-militar é um modelo desenvolvido para promover a melhoria na qualidade da educação básica do país”, avalia o parlamentar. “Esse modelo vai abranger a área didático-pedagógica, com atividades de supervisão escolar e psicopedagogia, para melhorar o processo de ensino-aprendizagem, preservando as atribuições exclusivas dos docentes; a área educacional, objetivando fortalecer os valores humanos, éticos e morais, bem como incentivar a formação integral como cidadão e promover a sensação de pertencimento no ambiente escolar; e a área administrativa, para aprimorar a infraestrutura e a organização na unidade escolar”, completa.

Chediek argumenta que uma pesquisa, noticiada no portal do MEC, realizada pelo Instituto Checon em todos os Estados e no Distrito Federal revelou que 85% dos entrevistados gostariam de matricular seus filhos em escolas cívico-militares. “Esse levantamento aponta ainda que a média da avaliação geral das escolas cívico-militares é de 8,3, numa escala de zero a 10. Segundo declaração do secretário de Educação Básica do MEC, Janio Macedo, as escolas cívico-militares já existentes apresentam taxa de evasão 71% menor e de reprovação 37,4% inferior comparada com as civis.”

O vereador pede que o documento seja encaminhado ao presidente da República, Jair Bolsonaro (PSL), ao Ministério da Educação, e dado conhecimento ao governador do Estado de São Paulo, João Dória (PSDB), à Secretaria de Educação do Estado de São Paulo, ao prefeito de Araraquara, Edinho Silva (PT), bem como à Secretaria Municipal de Educação do município.

 

Imprensa Câmara Municipal de Araraquara

 

Grupo escoteiro proporciona atividades para meninas de ONG

 17 de maio de 2019

 

Um dia diferente. Uma experiência nova para diversas garotas que são atendidas pela Oficina das Meninas, ONG que realiza atividades direcionadas a meninas e adolescentes de 6 a 17 anos, priorizando famílias de baixa renda que têm mulheres como chefes de família. Foi o que aconteceu na tarde do sábado (11), no acampamento Roca de Fogo, por meio de atividades promovidas pelo Grupo Escoteiro Araraquara “José Luis Torquato”.

 

Integrante do grupo, Náthalie dos Santos entende que se trata de “um dia que normalmente não faria parte da rotina das meninas e de qualquer criança hoje em dia. Oferecemos atividades superdiferentes e atrativas aqui na Roca e é um projeto que a gente conhece porque é ligado a um escotista”.

 

Responsável pelo espaço, o arquiteto Lincoln Ferri Amaral definiu a Roca de Fogo como um sonho. “O fato de ser escoteiro há muitos anos, toda essa ligação com a natureza, de ser autossuntentável fizeram com que eu formasse essa chácara. Era uma forma de poder dar isso para as minhas filhas, para minha família, para eles interagirem com tudo isso. Aí surgiu um momento em que eu pensei: porque não posso ensinar o que sei, essa ligação que tenho de uma forma simples com a natureza e fazer um resgate dessa criançada que hoje em dia está muito ligada nos eletrônicos, na questão da tecnologia, por que não poderia fazer algo diferente?”, indagou.

 

Para Daniela dos Santos, que representou a Oficina das Meninas na atividade, o dia foi muito importante para as jovens. “Elas vieram muito animadas, e conhecer esse lugar maravilhoso vai ampliar muito os conhecimentos sobre o meio ambiente e ensiná-las a respeitá-lo também.”

 

As atividades foram aprovadas por Emily. “Muito legal, gostei de tudo.” Avaliação compartilhada por Grazieli. “Gostei bastante da tirolesa, que não estava acostumada, foi muito bom.”

 

Segundo o vereador Elias Chediek (MDB), que acompanhou o dia das meninas, “é uma atividade totalmente diferente da rotina delas; isso que é fantástico. Ter o contato com a natureza, com os animais, com atividades esportivas, físicas. É uma diversão que recomendamos para a cidade inteira”.

 

Sobre a Oficina das Meninas

 

Com 15 anos de história, é uma Organização não Governamental (ONG) e sem fins lucrativos que realiza atividades em períodos do contraturno escolar, de segunda a sexta-feira, das 7 às 17 horas.

 

Mais informações podem ser obtidas pelo telefone (16) 3322-6232, pelo e-mail  Este endereço de e-mail está protegido contra spambots. Você deve habilitar o JavaScript para visualizá-lo. "> Este endereço de e-mail está protegido contra spambots. Você deve habilitar o JavaScript para visualizá-lo. , pelo site www.oficinadasmeninas.org.br e também pelo Facebook “OficinaDasMeninas”. A ONG está localizada na Avenida Padre Manoel da Nóbrega, nº 540, no Parque Alvorada.

 

http://www.camara-arq.sp.gov.br/site/index.php/grupo-escoteiro-proporciona-atividades-para-meninas-de-ong/


 

Mau cheiro preocupa moradores da Vila Esperança

16 de maio de 2019 

 

Vereador Elias Chediek pede esclarecimentos da Nestlé; gerência da empresa apresenta estação de tratamento ao parlamentar

 

Há cerca de duas semanas, o vereador Elias Chediek (MDB) esteve na Vila Esperança a pedido de moradores. “Eles se queixavam de um mau cheiro intenso que invade as casas, principalmente no final da tarde, por volta das 18 horas”, relata. O próprio parlamentar sentiu um odor desagradável nas proximidades de uma das casas. “Vinha claramente de uma boca de lobo na frente da casa, e remetia a esgoto. Porém, o morador garantiu que o motivo da reclamação era um odor diferente e que os vizinhos desconfiavam que vinha da fábrica da Nestlé, que fica nas proximidades.” Chediek então procurou a empresa para pedir esclarecimentos.

 

Em resposta, a Nestlé convidou o vereador a visitar a unidade e conhecer pessoalmente os processos de fabricação de produtos e eliminação de resíduos. Chediek foi recebido pelo gerente da fábrica de Araraquara, Robison Mourão, acompanhado pelas analistas de Meio Ambiente Daniela Adorno e Ana Carolina Correa, pela coordenadora de Assuntos Institucionais e Relações Governamentais da Nestlé Brasil, Noelle Rocha, e pela coordenadora de Legal e Compliance da Nestlé Brasil, Vanessa Carrieri.

 

“Temos vários projetos de consumo sustentável e gerenciamento de recursos naturais. Estabelecemos metas de sustentabilidade nas fábricas do estado de São Paulo, que resultaram em 22% de redução da água captada, com reutilização de água de leite em Araçatuba e Araraquara, 29% de redução de emissões de gases de efeito estufa e zero resíduos destinados para aterro, com parceria com o Cempre [Compromisso Empresarial para Reciclagem] e o projeto ‘Reciclar pelo Brasil’”, explica Noelle.

 

Mourão acrescenta que a fábrica de Araraquara adere a todos os padrões de sustentabilidade e uso racional de recursos naturais da empresa. “Fizemos, inclusive, investimento em um equipamento no-break, que retifica oscilações de energia, o que também economiza energia. Além disso, fazemos a recuperação da água utilizada na produção e nossos resíduos são destinados a coleta seletiva, compostagem, produção energética e cimenteira.” O gerente apresentou ao vereador o sistema de tratamento de resíduos da fábrica. “Nossa estrutura é superdimensionada. Temos capacidade para tratar mais que o dobro do que é produzido hoje”, aponta.

 

Na estação de tratamento de efluentes, há um tanque que recebe a água com resíduos, a célula de equilíbrio, ou seja, um tanque de reserva (para que, em caso de incidentes, a água não tratada fique armazenada, sem ir para o rio), seis células de aeração e um clarificador. Nos tanques, é utilizado um sequestrante de odores, para evitar que cheiros desagradáveis sejam liberados no ar. “Evidentemente, o mau cheiro não pode estar vindo daqui”, observa Chediek no local. “Precisamos investigar melhor para compreender qual é o problema que está incomodando os moradores.”

 

O gerente afirma que “a fábrica está estável há dois anos. Nosso tratamento funciona muito bem e é totalmente aeróbio, por isso não produz odores. Além disso, há cerca de dez anos, a estação só recebe resíduos de leite, açúcar e de limpeza das tubulações da fábrica. Os banheiros estão ligados à rede de esgotos do Daae [Departamento Autônomo de Água e Esgotos]”.

 

Este ano, outras queixas de moradores motivaram as analistas de Meio Ambiente a conduzirem estudos no entorno da fábrica. Em um dos casos, o mato alto no terreno escondia um bueiro com vazamento; o problema foi resolvido pelo Daae após a limpeza. Em outro caso, o forte odor de esgoto vinha de uma casa de bombas. A empresa abriu um chamado na autarquia para buscar uma solução.

 

“Pelo que pude constatar, a fábrica realmente não está produzindo odores”, diz Chediek. “A empresa, inclusive, se mostrou positiva à possibilidade de trazer os moradores que se queixaram aqui para conhecerem as instalações e seu sistema de tratamento. De qualquer forma, entrarei em contato com o Daae, para investigar a origem do cheiro de esgoto, porque não se pode descartar a possibilidade de haver alguma descarga irregular em algum lugar no bairro. Também é preciso averiguar a origem do mau cheiro que as pessoas sentem no fim da tarde”, conclui.

 

A Nestlé em Araraquara

 

A empresa multinacional está no Brasil desde 1921, tendo se instalado em Araraquara em 1946, fabricando Leite Moça. Atualmente, produz diversos produtos da linha láctea, com destaque para leite UHT. A produção da fábrica é exportada para dez países (Trinidad e Tobago, Haiti, Granada, Nova Zelândia, Peru, EUA, Colômbia, Chile, Argentina e Paraguai). Atualmente, gera 300 empregos diretos e mais de 1.500 empregos indiretos – é um dos principais compradores de leite dos produtores da região, utilizando de 500 a 600 mil litros por dia.

 

A destinação dos resíduos da produção é dividida da seguinte forma: 84% para compostagem, 15% para reciclagem, 0,95% para coprocessamento e 0,05% para rerrefino.

http://www.camara-arq.sp.gov.br/site/index.php/mau-cheiro-preocupa-moradores-da-vila-esperanca/


 

Vídeo - Estudo VLT

 

 

Mensagens
Desperte o gigante adormecido dentro de você

1- Você é a mais importante das pessoas vivas. Jamais houve alguém exatamente igual a você.

2- Você é um espírito com um corpo. Quando os dois trabalham em harmonia, podem influir, usar, controlar e harmonizar-se em relação à tudo.

3- Lembre-se de que a sua única verdadeira limitação é aquela que você imaginou em sua própria mente , ou aceitou , como sendo intransponível.

4- Sempre é bom lembrar as palavras do próprio Jesus : "Tudo o que pedirdes na oração , crêde que o tendes recebido , e ser-vos-á dado".

5- Acredite em você ! Acredite que você é realmente filho de Deus! Tenha confiança e fé para mudar tudo que está errado, a começar de nós !

Gabinete

Vereador: Elias Chediek Neto (PMDB)

Endereço: Rua São Bento, 887 - Cep 14801-300 - Araraquara - SP. Câmara Municipal de Araraquara, Gabinete 05

Telefone: 3301 0606 Assessores: Luciana e Célia

Email: eliaschediek@camara-arq.sp.gov.br 

Site: www.eliaschediek.com.br

Facebook: Vereador Elias Chediek